Desmistificando o Home Office

Sonho de muitos funcionários e pesadelo de alguns gestores, em apenas três anos o home office será oferecido por cerca de 90% companhias (segundo projeção da multinacional Citrix). Segundo a SAP Consultoria, a prática é adotada por 68% das empresas brasileiras, apesar de pouco se comparado a países como Canadá e Estados Unidos (ambos com 85%), o percentual está crescendo rápido. Isso porque com o aumento da produtividade e a redução de custos, fica difícil ignorar o potencial do trabalho remoto.

Uma pesquisa de 2016, feita em âmbito nacional, também identificou ressalvas dos contratantes quanto ao assunto. As principais giram em torno da cultura organizacional, questões legais, gestão de pessoas e problemas de infraestrutura/tecnologia.

As vantagens, todavia, são muitas e podem até mesmo revolucionar o modo como sua empresa atua. Para elucidar os possíveis entraves do home office fizemos essa lista para motivar (e preparar) quem quer implementar a prática.

Aumento da produtividade

Essa é a maior bandeira levantada por quem defende o home office. A pesquisa da SAP Consultoria mostrou ganhos de 54% na produtividade dos funcionários e de 85% na satisfação e engajamento. Isso porque, no geral, quanto mais felizes estamos, mais produzimos. A diferença aqui é na mentalidade: deve-se prezar mais pelos resultados que pela presença física. Nossa dica é estabelecer prazos e planos de meta claros e tangíveis para acompanhar o crescimento da produtividade de sua empresa.

Economia

Além de produzir mais, funcionários em casa custam menos, aumentando ainda mais o custo-benefício. Menos gente no escritório significa menos gastos com espaço, luz, água, limpeza, café, vale-transporte e tantas outras despesas. Algumas companhias nem possuem mais espaços fixos para cada funcionário, e sim ambientes coletivos e salas de reunião. Vale lembrar que um trabalhador, mesmo que remoto, tem todos os direitos garantidos pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Quem pode e quem não

Nem todas as áreas e nem todos os profissionais são elegíveis para fazer home office. Para isso, as demandas devem poder ser realizadas usando apenas computador e celular, como no caso de designers, desenvolvedores, profissionais de marketing, BI (business intelligence), gestão e negócios e algumas outras profissões. Além disso, nem todo mundo está preparado para essa modalidade de trabalho, que exige muito mais disciplina e independência do funcionário.

Antes de começar a implementação, é preciso pensar quais equipes e profissionais são elegíveis, além de alinhar com os gestores as melhores formas de lidar com a situação. Vale investir em treinamentos de gestão de pessoas e na importância da comunicação de qualidade, diminuindo ao máximo os ruídos.

E a parte legal?

Infelizmente a legislação trabalhista brasileira ainda não traz especificações para tal regime. Consta apenas que constituindo vínculo empregatício (subordinação e periodicidade), os direitos e deveres são os mesmos. Das empresas brasileiras que adotam a prática, 52% estão parcialmente regularizadas (segundo pesquisa da SAP Consultoria). Uma das maiores questões é o horário de trabalho dos funcionários, que pode ser feito com base em login no sistema interno, por exemplo, ou caracterizá-los como “não sujeitos a horário”. Veja aqui dúvidas comuns quanto a isso. Veja ao lado Art 6º da Consolidação das Leis Trabalhistas.

Outras vantagens

Não é novidade também que grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro, sofrem diariamente com trânsito congestionado e transporte público lotado. Ficar em casa, mesmo que periodicamente, contribui muito para a mobilidade urbana.

Outra vantagem é a abertura de novas possibilidades, como contratar profissionais de outros países. Cerca de 67% das companhias que já adotam a prática no Brasil são multinacionais, refletindo o cenário global no qual o home office já está muito mais difundido. Quer mais? Implementar com sucesso um regime de trabalho remoto também contribui para a atração e retenção de profissionais qualificados, competentes e independentes (que você encontra na Contratado.me!).
No resumo, home office é capaz de aumentar produtividade e satisfação dos colaboradores ao mesmo tempo em que reduz os gastos. Sua implementação, porém, requer muito preparo, certos cuidados e profissionais de qualidade.