WTF is a Data Scientist?

Segundo o Fórum Econômico Mundial, Data Scientist será uma das profissões mais relevantes para o mercado até 2020. Você já vai entender por quê. Mas, adiantamos: se sua empresa está precisando reduzir custos e riscos, e aprimorar a capacidade de inovação, hora de contratar um(a) Data Scientist.

O que exatamente essa pessoa faz?

Data Scientist, ou cientista de dados, é alguém capaz de reunir e organizar uma grande quantidade de dados, traduzi-los em informações compreensíveis e, enfim, indicar ações estratégicas a serem tomadas. Em outras palavras, é alguém que detecta padrões de comportamento de um certo público, a partir do estudo de banco de dados de aplicativos, sites de busca e redes sociais. Afinal, Google e Facebook comercializam os dados de seus usuários, sabia?

 

“A coleção de rastros digitais deixados a cada chamada, transação financeira, uso de GPS e rede social alimenta bases de dados comportamentais que conseguem identificar, com precisão crescente, os movimentos e dinâmicas da cidade. O mundo digital é um mundo de registro e observação.”

– Luli Radfahrer, professor de Comunicação Digital, ECA-USP

Dados reunidos, informações descobertas, eis a próxima etapa do trabalho de um(a) Data Scientist: recomendar aos tomadores de decisão da empresa formas inovadoras e econômicas de resolver o problema dado. Por exemplo: apontando novos negócios lucrativos no caso de uma startup, prevendo riscos de empréstimos para um banco e a manutenção de máquinas para uma indústria, orientando investimentos para uma companhia de telefonia, ou, até mesmo, aconselhando cidades na prevenção de doenças e no combate à criminalidade.

Impressionante, não? Agora, você pode estar se perguntando…

O que avaliar em um(a) Data Scientist?

Preste atenção a quatro atributos na hora da entrevista:

1. Conhecimento de dados
Não espere alguém que entenda de temas caros a desenvolvedores, como Front-end, Back-end e Big Data. Uma pesquisa do Analytics Week aponta que a maioria dos Data Scientists usa seu domínio em Bancos de dados, Data mining (capacidade de organizar dados e encontrar padrões e associações entre eles), Gestão de projetos e Estatística. Portanto, leve em conta esses conhecimentos, independente da formação do candidato.

2. Visão de negócio
O candidato mais forte será aquele que demonstrar curiosidade pelos desafios da empresa. Descreva para a pessoa, sem dar muitos detalhes, um cenário problemático que vocês enfrentam. Peça que ela sugira uma solução, mas antes lhe dê uma “carta coringa” para solicitar uma nova informação sobre o problema. Se ela usar a carta, sinal de que pensa com cautela para não comprometer o negócio. Se apontar mais que uma solução, ponto positivo!

3. Capacidade de priorizar
Data Scientists não apenas resolvem problemas, mas escolhem os problemas certos para resolver – e investigam cada um pelo maior número de ângulos, cogitando o máximo de soluções. Sendo assim, uma boa ideia para facilitar seu recrutamento é questionar como o candidato lidaria com uma lista de dez metas (podem ser fictícias). O ideal é que ele sugira priorizar três, e evitar a todo custo avançar para outras três, enquanto essas não forem alcançadas.

4. Comunicação clara
Como o(a) Data Scientist se reporta à diretoria da empresa e aos líderes de TI, deve ser alguém bastante articulado ao explicar como as soluções que sugere se ligam aos desafios enfrentados pelo negócio. Fique de olho na maneira como o(a) candidato(a) se expressa. Você logo entende o que a pessoa diz ou precisa fazer muitas perguntas para chegar aonde quer?

Qual seria um salário justo?

A remuneração para quem atua no ramo varia de 4 a 12 mil reais por mês.

Onde encontro um(a) Data Scientist?

Chegou à conclusão de que um(a) Data Scientist na sua equipe fará toda diferença, mas não quer esquentar a cabeça buscando a melhor pessoa? Encontre os candidatos mais preparados e com o perfil que combina com a sua empresa, acessando: Contratado.me